Fim da confusão

Pesquisa mostra que múltiplos estímulos, aliados a uma soneca, aceleram alfabetização em crianças no início da vida escolar

JOSÉ DE PAIVA REBOUÇAS – ICe

Sabe quando a criança está aprendendo a ler e confunde letras como “b” e“d” ou “p” e “q”, por exemplo? Esse fenômeno, produto de nossa organização cerebral, é chamado na ciência de “invariância em espelho”. Isso vai melhorando conforme a educação formal se dá, mas demora de 2 a 3 anos para ser consolidado. Estudo desenvolvido no Instituto do Cérebro (ICe/UFRN), com apoio do Centro de Pesquisa em Neuromatemática (Cepid Neuromat), mostra que é possível reduzir significativamente esse tempo de consolidação da memória usando uma metodologia simples, barata e fácil de aplicar. Os resultados foram publicados na Current Biology.

Ativo há 25 milhões de anos, esse mecanismo visual surge no início do desenvolvimento humano e não atrapalha outras tarefas cotidianas, além de ser muito útil para reconhecer objetos, rostos e lugares, mas atrapalha uma invenção humana relativamente recente, mas muito importante: a leitura. Mesmo os olhos enxergando as imagens como diferentes, o cérebro as processa como sendo iguais. Essa confusão visual atrapalha a alfabetização, já que a criança não consegue distinguir letras espelhadas, o que pode criar nelas certa resistência no aprendizado ainda no começo da vida escolar.

Utilizando um treino multisensorial, baseado em descriminação de letras e focado em outros sentidos, mais uma soneca pós-treino, os pesquisadores dobraram a velocidade de leitura em crianças e reduziram para três semanas (7,5 horas de trabalho) a capacidade delas de distinguir letras espelhadas. “O que nós descobrimos é que o estímulo com outros sentidos acoplado ao sono pode acelerar esse processo”, disse Ana Raquel Torres, primeira autora da pesquisa.

O treino tinha duração de 30 minutos e consistia em vendar as crianças que depois eram estimuladas a acessarem as letras com outros estímulos. Um deles, era fazer desenhos dessas letras nas palmas de suas mãos e dizer em voz alta o som que elas têm. Ao estimular outras áreas do cérebro, os pesquisadores conseguiram resolver a confusão visual dos alunos que receberam o treino. No grupo das crianças que não passaram pelo treinamento, no entanto, se manteve a dificuldade de distinguir as letras, com média de 75% de erros.

Impacto das intervenções nos erros de escrita

Algumas crianças foram submetidas a outro experimento no processo. Além da atividade multissensorial, elas foram induzidas a uma soneca após cada treino. Baseados em outro estudo do ICe que demonstrou que cochilos durante o período das aulas podem impulsionar a aprendizagem de uma maneira escalável, os pesquisadores conseguiram dobrar a velocidade de leitura no grupo observado. “Com apenas três semanas de atividades, o treinamento conseguiu zerar a quantidade de erros que as crianças cometem no início da alfabetização e duplicou a velocidade de leitura. Entre os alunos que estavam no grupo que podiam dormir após o treino, o conhecimento adquirido se manteve após quatro meses”, acrescentou Ana Raquel.

Felipe Pegado, autor correspondente do estudo, explica que essa é, provavelmente, a primeira prova direta de que as neurociências, no caso da leitura e do sono, podem, já hoje, ajudar concretamente a melhorar a educação. “Nunca antes foi mostrado um efeito tão importante sobre a fluência de leitura, com tão pouco treinamento”, disse.

Ao longo de quatro anos, os testes foram replicados três vezes, tendo a participação de 102 crianças de 5 a 7 anos de uma escola em Natal, divididos em quatro grupos experimentais e de controle. Segundo os pesquisadores, os resultados não só revelam um caso extremo de plasticidade cognitiva em humanos, como também mostram uma maneira simples e econômica de liberar o potencial de fluência de leitura de milhões de crianças em todo o mundo. 

Impacto das intervenções sobre a velocidade de leitura

“O treinamento multissensorial e a soneca, que são fáceis e baratos de implementar na escola, levam a um aprendizado duradouro das diferenças entre as letras. Gosto especialmente desta pesquisa pois ela parte da ciência básica e chega até a ciência aplicada, mostrando como modificações simples do aprendizado escolar podem dobrar a velocidade de leitura de crianças em idade de alfabetização”, disse o neurocientista Sidarta Ribeiro, vice-diretor do ICe e coordenador da pesquisa.

Ainda segundo os pesquisadores, esses resultados contribuem como uma mudança de perspectiva sobre como os humanos podem aprender a ler com mais fluência, se a invariância em espelho for considerada no início da alfabetização e um treino específico, acoplado a uma soneca, forem aplicados. Para Felipe, a pesquisa mostra a eficácia de um aprendizado mais fisiológico e que novas pesquisas poderão mostrar que o princípio de um aprendizado multissensorial, que envolve várias partes do cérebro, é mais eficaz. “O meu modelo teórico desse princípio de aprendizado, multisystem mapping, está no wikipedia, na página literacy”, informou. Ele está organizando uma versão online desse treinamento que pode ser feito em casa, pelos próprios pais.

Deixe uma resposta