Instituto do Cérebro completa 10 anos como expoente da neurociência no país

O cérebro humano é estudado há séculos – e ainda há muito a ser descoberto e compreendido. Nessa longa trajetória do conhecimento sobre o órgão – símbolo da inteligência e controlador do funcionamento do corpo inteiro – a Universidade Federal do Rio Grande do Norte tem dado passos importantes desde 13 de maio de 2011, com a fundação do Instituto do Cérebro (ICe-UFRN).

O ICe é uma unidade acadêmica especializada, ligada diretamente à Reitoria da UFRN, e sua origem é um pouco anterior: em 1995, alguns neurocientistas brasileiros atuando no exterior idealizaram um centro de pesquisa de ponta sobre o cérebro. Seis anos mais tarde – com apoio do Ministério da Educação e do Ministério da Ciência e Tecnologia – nascia o Instituto do Cérebro, cujo corpo docente foi formado por um esforço de recrutamento internacional, que trouxe vários pesquisadores brasileiros e estrangeiros a Natal. Isso refletiu em trajetórias acadêmicas, técnicas e culturais bastante variadas, assim como competências diversas, como neurobiologia molecular e celular, neuroengenharia e bioinformática. 

Hoje, o Instituto conta com 18 professores, todos capacitados no exterior e munidos de suas redes internacionais de neurociência, que trouxeram para a UFRN. Vários possuem bolsas de produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Eles também atuam em colaborações com muitos centros dentro da UFRN (em parcerias com o HUOL, Biome, DOL, os Institutos Metrópole Digital (IMD) e de Medicina Tropical (IMT), por exemplos); com várias universidades brasileiras – como a Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Estadual de Campinas (Unicamp) – e com diversas instituições estrangeiras,  como as Universidades de Uppsala (Suécia), Heidelberg (Alemanha), Lyon (França), Buenos Aires (Argentina) e Princeton (Estados Unidos) e institutos da Sociedade Max Planck (Alemanha). Além disso, os docentes do ICe lecionam semestralmente para 292 alunos de graduação (2020.2), oriundos de diversos cursos da UFRN.

Já o corpo discente é formado por 25 estudantes de graduação realizando iniciação científica; 12 mestrandos; 27 doutorandos; e nove pesquisadores de pós-doutorado. Os estudantes de pós-graduação são ligados a oito programas da UFRN (Bioinformática; Ciências Biológicas; Física; Medicina; Direito; Psicobiologia; Psicologia; e Ciências da Saúde), entre os quais o programa de Pós-Graduação em Neurociências (PGNeuro).

O número de publicações científicas com Qualis A1, A2 e B1, citações da na base Scopus e aparições nas mídias especializadas do Brasil e do mundo evidenciam o alcance dos estudos realizados no ICe e dão prova de que o Nordeste brasileiro não apenas demanda como tem condições de sediar e fomentar o ensino, a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico numa área sofisticada como as neurociências. 

Anualmente, o ICe realiza seu House Symposium, um evento que reúne pesquisadores das neurociências para debate de um tema. Em 2021, o aniversário de 10 anos do ICe foi eleito como pauta do encontro, que vai acontecer nos dias 27 e 28 de maio, com transmissão pela internet devido a pandemia de Covid-19.

Deixe uma resposta