Grupos de pesquisa

  • Neurogenética - Tarciso André Ferreira Velho

    • Meu laboratório está interessado em compreender as bases genética do aprendizado vocal. Nós nos concentramos no processo pelo qual aves canoras adquirem suas vocalizações, um processo análogo à aquisição da fala em humanos. Para resolver esta questão, nós desenvolvemos novas tecnologias para gerar pássaros transgênicos. Estes animais geneticamente modificados nos permitem investigar a contribuição de genes para a formação e funcionamento dos circuitos envolvidos no aprendizado e produção vocal. Além disso, nós também estudamos os mecanismos homeostáticos envolvidos na manutenção de memórias motoras estereotipadas. Para responder à estas e outras questões, usamos uma combinação de manipulações genéticas agudas e crônicas para perturbar a atividade de neurônios individuais ou regiões inteiras do cérebro, juntamente com imageamento de cálcio em animais se comportando livremente, e análises comportamentais detalhadas de sinais vocais.

  • Neuroimagem funcional - Dráulio Araújo

    • O Laboratório de Neuroimagem Funcional (NeuroImago) foi criado em 2003 e tem como foco a aplicação de ferramentas não invasivas para investigar questões relacionadas ao campo das neurociências cognitivas e clínicas. Por enquanto, dedicamos especial interesse à Imagem por Ressonância Magnética Funcional (fMRI), eletroencefalografia (EEG) e magnetoencefalografia (MEG).

      Atualmente, o laboratório está instalado no Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e no Instituto do Cérebro.

  • Pesquisa de Memória - Martin Cammarota

    • Linhas de Pesquisa:

      1. Neuroquimica da Memória

      2. Biologia Molecular da Memória

      3. Role of AII receptors on TH regulation and catecholamine synthesis

      4. Participation of CaMKII on the induction and maintenance of hippocampal LTP

      5. Neurobiología da formação, expressão e extinção de memórias

      6. Utilização de células tronco para o tratamento dos deficits cognitivos provocados por doençãs neurodegenerativas

      7. Neuroquimica, neurofisiologia e neurofarmacologia da formação e expressão de memórias

  • Plasticidade de Circuitos Neurais - Rodrigo Neves Romcy Pereira

    • Nosso laboratório investiga mecanismos de plasticidade sináptica e atividade oscilatória em circuitos límbico-corticais necessários para a execução de comportamentos cognitivos, emocionals e sociais. Neurônios localizados no córtex préfrontal, hipocampo ventral, tálamo e prosencéfalo basal fazem parte de circuitos neurais recrutados nestes comportamentos. Evidências indicam que disfunções nestes circuitos formam a base de comportamentos aberrantes observados em desordens neurológicas e psiquiátricas como epilepsia e autismo. Nosso laboratório está particularmente interessado em compreender como o acoplamento oscilatório entre o hipocampo e o córtex préfrontal se correlaciona com mecanismos de plasticidade sináptica como potenciação de longa duração (LTP) e depressão de longa duração (LTD). Além disso também nos interessa entender como a circuitaria inibitória GABAérgica local no córtex afeta este processo. Outros interesses são investigar (1) como circuitos epilépticos aumentam a vulnerabilidade para o desenvolvimento de sintomas psiquiátricos e (2) quais são os circuitos neurais afetados no autismo. Para abordar estas questões nosso laboratório utiliza de técnicas eletrofisiológicas de registros de multi-eletrodos, registros de emissões de ultrassom, registros de potenciais evocados em regiões corticais e subcorticais em modelos animais de autismo e epilepsia. Nossas análises se concentram em avaliar padrões oscilatórios dos potenciais de...

  • Redes Neurais e Epilepsia - Claudio Queiroz

    • Este grupo de pesquisa está interessado em entender a ligação entre oscilações patológicas e epilepsia. Eles vêm estudando a reorganização anatômica e as mudanças na excitabilidade neuronal que ocorrem no sistema límbico após um ataque cerebral. Como o cérebro epiléptico apresenta grandes alterações na excitabilidade da rede, por que o cérebro epiléptico não se apega constantemente? Quais são as alterações celulares e de rede que dão origem a paroxismos epileptiformes? Em quais estruturas essas mudanças ocorrem? Com que facilidade é possível prever essas alterações? Uma vez que uma convulsão é detectada, como se pode abortar sua progressão antes da manifestação comportamental? Estas são algumas das questões gerais com as quais este grupo está atualmente envolvido. Seu principal objetivo é a melhoria da qualidade de vida das pessoas com epilepsia e desvendar os mecanismos relacionados à geração de crises, a fim de abrir novos espaços para tratamentos sintomatológicos (convulsões) e até mesmo para a cura das síndromes epilépticas.

  • Sono, sonhos e memória - Sidarta Ribeiro

    • Este laboratório investiga os mecanismos moleculares, celulares e psicológicos responsáveis pelo papel cognitivo do sono. Memórias explícitas, como por exemplo, memórias de lugares, coisas e eventos, envolvem duas diferentes porções cerebrais: enquanto o hipocampo age como um armazenador de curto-prazo, as memórias com o tempo migram completamente para o córtex cerebral. Investigando ratos através de registros neuronais de multi-eletrodos e hibridização in situ para genes imediatos relacionados à plasticidade, fez-se a descoberta de que memórias de objetos novos no hipocampo desaparecem em questão de minutos, mas persistem reverberando no córtex durante o sono por várias horas após o fim da exploração do objeto. Os resultados indicam que as duas fases do sono cooperam para promover a propagação de memórias desde seu ponto de entrada (hipocampo) até seu destino final (córtex). A fase sem sonhos do sono (sono de ondas lentas) reverbera e amplifica mudanças recentemente adquiridas em circuitos sinápticos selecionados. A fase onírica do sono (movimento rápido dos olhos, sono REM) dispara a expressão cortical de genes relacionados à estabilização e propagação da memória. Os resultados sugerem que experiências novas são seguidas por múltiplas ondas de plasticidade cortical enquanto os ciclos...

  • Vislab - Sergio Neuenschwander

    • Uma noção influente na neurociência é que a caracterização das propriedades de resposta das células isoladas é fundamental para a compreensão dos processos cognitivos. No sistema visual, a descoberta de que as respostas são geralmente específicas e seletivas para atributos particulares de um objeto levou à ideia de que os neurônios realmente se comportam como detectores capazes de extrair informações do mundo externo. De acordo com essa visão, a percepção seria o resultado da codificação de vários elementos elementares por meio de uma análise modular que é paralela e hierárquica.

      Ver a organização funcional do cérebro como uma coleção de células individuais, cada qual realizando algum tipo de extração de características, deprecia, no entanto, o fato de o cérebro ser uma estrutura altamente interconectada tanto dentro quanto entre os módulos de processamento. Um nível mais apropriado de descrição é considerar os fenômenos cooperativos no nível da população. Nessa perspectiva, o estudo das dependências de tempo na atividade entre as células é de considerável interesse. Várias investigações do nosso grupo e de outros pesquisadores mostraram que as interações neuronais no córtex visual exibem alta precisão temporal na faixa de milissegundos. Acredita-se que os...