Debate “mulheres na Neurociência” movimenta Semana do Cérebro

Date Published:Mar 14, 2018



Elas já são maioria na escola e na faculdade, mas parece que a presença da mulher em um espaço consolidado e estratégico como a Ciência ainda não ganhou a devida atenção que merece. Pelo menos foi este viés que norteou a mesa redonda “As mulheres na Neurociência” no encerramento do ciclo de palestras da 7ª Semana do Cérebro. O evento realizado pelo Instituto do Cérebro da UFRN, com apoio do Instituto Santos Dumont e do Programa de Pós-Graduação em Psicobiologia da UFRN, aconteceu na noite desta terça-feira, 13, no auditório do Instituto Metrópole Digital (IMD).

Daiane Golbert, bióloga e pós-doutoranda do ICe-UFRN, Viviane Nogueira, biotecnóloga, também vinculada à pós-graduação do ICe-UFRN, e Ana Luchiari, bióloga e professora da UFRN, comandaram o debate. Cada uma realizou uma exposição sobre a presença da mulher na ciência, vinculando os acontecimentos históricos com suas experiências pessoais. Na plateia, não faltou quem se identificasse com os relatos e quisesse contribuir com a discussão, tornando-a mais ampla e plural.

Na opinião de Daiane, o momento foi melhor que o esperado. “Fiquei muito impressionada, principalmente pela participação. Foi uma oportunidade de aprendizagem única que o ICe promoveu”, disse. Para a pós-doutoranda Anna Karynna Rocha, a discussão mostrou o quanto o papel da mulher é renegado na Ciência, mesmo com tantas contribuições importantes dadas à sociedade. “Foi importante para mostrar o quanto a desigualdade dentro das áreas da ciência ainda precisa ser quebrada”, destacou.



Palestras arrastam maior público da Semana

Pelo menos 280 pessoas participaram da abertura do ciclo de palestras da Semana do Cérebro neste ano. O auditório B205 do IMD, onde aconteceu o evento entre os dias 12 e 13, ficou pequeno para tanta gente. No primeiro dia, quatro palestras foram realizadas: Leitura da mente: decodificando a atividade neural, com André Salles (ISD); O que a bicicleta diz para o nosso cérebro, com John Fontenele (PsicoBio-UFRN); Doença de Parkinson: contribuições e desafios da neuroengenharia, com Mariana Araújo (ISD); e O uso terapêutico de psicodélicos, apresentada por Fernanda Palhano (ICe-UFRN).

Público semelhante se reuniu no segundo dia. Antes da mesa redonda sobre o papel da mulher na Neurociência, foram apresentadas as palestras: Como medir cognição e aprendizado em sala de aula na era digital, com Natalia Mota (ICe-UFRN); Evolução e consumo: como nossa biologia afeta os produtos que compramos, com Felipe Nalon (PsicoBio-UFRN); e Fake News: o que há de verdade na pós-verdade? com Daniel Almeida (ICe-UFRN). Todas as palestras tiveram interação e participação do público.

Por e-mail, Sílvia Cristina Loeffer Bertolino Cavalcanti, vinculada ao Tribunal de Justiça do RN, parabenizou a organização e agradeceu pela iniciativa. “Simplesmente adorei. Foi uma ótima surpresa. Não teve uma (palestra) que fosse enfadonha. Fez com que eu refletisse um bocado. Se houvesse palestras desse nível todos os dias, eu estaria lá”, disse ela. Todas as apresentações foram gratuitas e abertas a todos os públicos. Saiba mais no www.neuro.ufrn.br/semanadocerebro.



Source:

Web site:


Rereading the mind. Unbiased discovery of neural correlates of behavior

Click here to more

Last entries